Sábado, 15.08.15

In memoriam - Dietrich Putzer

 

Desconhecido para a grande generalidade dos leitores, o Professor universitário alemão Dietrich Putzer, falecido faz hoje uma semana, era um grande amigo de Portugal, da Madeira e das Ilhas Selvagens em especial. Não sendo português, terá sido o estrangeiro, ainda vivo, que mais fez pelas ilhas, de forma discreta mas incisiva, como era seu timbre.

Recentemente o Diário de Notícias da Madeira publicara sobre Putzer: "No alpendre da casa dos vigilantes, Dietrich Putzer apontou para os mastros à sua esquerda, onde esvoaçavam duas bandeiras, uma da República, outra da região autónoma. "A bandeirinha de Portugal foi eu que trouxe", disse. Depois, olhando o azul ao fundo, para lá do chão de areia onde os calcamares fazem os ninhos, suspirou: "É muito mar."

Putzer era um cientista e dos bons, professor universitário de física aplicada em Duesseldorf, apaixonado por insectos e terras remotas, que, ao longo dos anos, visitou dezenas de vezes as Selvagens. As ilhas levaram a que trocássemos correspondência frequente por e-mail, de há algum tempo a esta parte. Recentemente enviara-lhe a minha tese de doutoramento que este leu em poucos dias e, de imediato, citou num artigo científico que escreveu. Nunca lhe cheguei a agradecer. A sua morte repentina surpreendeu todos quantos viam em Putzer uma figura de relevo também no estudo do património arqueológico das Selvagens. Como homenagem a Putzer divulgo o conteúdo do ultimo e-mail que este me enviou, no bom português que aprendera como auto-didacta que era. Está lá tudo sobre as dificuldades operacionais da nossa Marinha e do pessoal de vigillância, pese embora o enorme esforço de todos. Os leitores e, fundamentalmente, o poder político, interpretarão como quiserem.

"Estimado colega, agradeço-lhe o seu livro que recebi a bordo do Schultz Xavier no dia 15 de Julho poucos minutos depois de ter sido salvado do mar selvagense. Nos dias seguintes estive domicilado na estação de Biologia Marinha do Funchal tendo o tempo de lançar-me no estudo desta multidão de informações condensadas.(...)
O Schultz Xavier tinha partido do Funchal no dia 14.07.15 pelas 14:00. A bordo estavam oito deputados do PS, mais uma jornalista (a Cristina), um biólogo, o Thomas Dellinger (também do PS), dois vigilantes que deveriam fazer a rendição, uma engenheira, a sra.  Carolina Sumares  e o Comandante do Comando Marítimo Sul. Esta tropa tinha a intenção de desembarcar na S. Grande para ver in situ os lugares de achados arqueológicos e agro-industriais com o mapa de STEINER nas mãos. Era também projetado que eu, que estive na S.Pequena com dois Vigilantes desde o 12 de Junho , acompanhasse a turma na S. Grande. Mas o barco de Guerra, Sch.X., nobre elemento da NATO para proteger a área marítima mais a sul de Portugal, só fazia 6,5 nós necessitando 30 horas - com vento norte e corrente na poupa- até comparecer à Selvagem Pequena sem nenhuma manifestação de parar na S. Grande, mas declarando que regressássemos imediatamente para o Funchal em direto. Os tres indivíduos perdidos na S.Pequena tinham estado lá sem rádio, sem motor de bote em função defendendo  virtualmente o litoral da Pequena, indefesos. (Na noite do 17 de Junho mesmo  o farol da Pequena  se tinha apagado  para coroar as disfunções). No dia 15 de Julho nos trouxeram um motor declarado "novo". Confiando nisso deixámos como últimos  o desembarcadouro da Pequena em direção do Schultz Xavier que estava- máquinas em marcha - numa distância de 5 km. O novo motor expirou depois de meio km e um vento gentil do Norte nos prometia que as Canárias e  Marrocos estivessem além do horizonte. Equipamento de salva-vida= zero. O sol iria deitar-se em breve. Felizmente tínhamos a bordo um dos mecânicos faroleiros cujo fraco telemóvel  conseguiu transmitir a nossa situação ao Schultz. Salvaram-nos. Evitando a lembrança daquelas linhas  .. ó grande mar quanto do teu sal, são lágrimas de ....
O farol reparado funcionou na hora da despedida. A S.Pequena estava agora sem Vigilantes e - indefesa-  à espera de infractores e caçadores submarinos canários cujo pisoteio vai estragar muitos ninhos do calcamar. A situação era e continua ser humilhante para  Portugal e os vigilantes que se expõem innecessariamente a perigos pessoais devido a uma  aparelhagem electrónica e motores em disfunção.
É engraçado que o PNM devolve cada ano alguns mil Euros "não gastos"  em vez de utilizá-los para a compra de rádios novos e motores novos para os botes.
O Schultz Xavier com o vento contra a proa, agora só necessitou 20 horas até chegar ao Funchal,  mais outro milagre. Os bravos deputados voltaram então ao Funchal depois de 50 horas no mar e sem terem posto o pé na Ilha cujos tesouros históricos quiseram ver in situ para testemunhar  que os argumentos do lado espanhol : " son rocas en la mar y nada más",  fossem refutados.
Nas conversas com os políticos e os militares a bordo acentuei que também a S. Pequena deveria ter presença de vigilante o ano inteiro e que além disso um fuzileiro deveria estar ao lado do vigilante tanto na S. Grande como na S.Pequena.
Agradeço a sua paciência de ter lido esta história merditativa que reflete que a posição portuguesa nas Selvagens pode ser ridicularizada à vontade mesmo numa época de tenção luso-espanhola titulada "rochas ou ilhas". 
Finalmente gostaria de saber, se já há sinais da preparação dum processo na ONU ou na UE.                                                        

Cumprimentos Dietrich Putzer".

 

Putzer foi salvo no mar e morreu em terra. Ironia do destino...Obrigado por tudo Dietrich e até sempre!

publicado por Pedro Quartin Graça às 10:03 | link do post | comentar
Sábado, 13.04.13

As Ilhas Selvagens

publicado por Pedro Quartin Graça às 18:05 | link do post | comentar
Domingo, 06.03.11

Ilhas Selvagens-Madeira-Portugal

Fotos no Skyscrapercity

As Ilhas Selvagens são um pequeno arquipélago português pertencente à Região Autónoma da Madeira.

Situam-se a 165 quilómetros a norte da arquipélago espanhol das Canárias, a 250 quilómetros ao sul da cidade do Funchal (Madeira), a cerca de 250 quilómetros a oeste da costa africana, a cerca de 1000 quilómetros a sudoeste do continente europeu. As Sel
vagens são constituídas por duas ilhas principais e várias ilhotas, que, tal como quase todas as ilhas da Macaronésia, têm origem vulcânica. O arquipélago é um santuário para aves, é muito agreste e tem uma área total de 273 hectares.

As Selvagens dependem administrativamente do concelho do Funchal; actualmente têm apenas dois habitantes permanentes na Selvagem Grande e dois semi-permanentes na 
Selvagem Pequena, guardas do Parque Natural da Madeira, sendo também visitada periodicamente por pessoal da Armada Portuguesa ao serviço da Direcção-Geral de Faróis. Para além disso, a Selvagem Grande é habitada várias vezes por ano pela Família Zino, do Funchal, que lá possui uma casa.

O estado espanhol tem insistido em que a delimitação da Zona Económica Exclusiva (200 milhas náuticas) se faça ignorando as Selvagens ao considerá-las como ilhéus, tendo por várias vezes violado o espaço aéreo das mesmas com aeronaves militares, enquanto que o estado português insiste na sua classificação como ilhas, ampliando a ZEE portuguesa.

Apesar de serem remotas e isoladas, as ilhas já receberam visitas oficiais de dois p
residentes da República Portuguesa, Mário Soares e Jorge Sampaio, actos de soberania que visaram reforçar a identidade e solidariedade nacionais e evidenciar o seu estatuto como reserva natural nacional. A Reserva Natural das Ilhas Selvagens (que integra o Parque Natural da Madeira) foi criada em 1971, sendo uma das mais antigas reservas naturais de Portugal.

O arquipélago

O arquipélago consiste em dois grupos. O grupo nordeste compreende a "Ilha Selvagem Grande" e duas pequenas ilhotas, "Palheiro da Terra" e "Palheiro do Mar". O grupo sudeste compreende a "Ilha Selvagem Pequena" e o "Ilhéu de Fora" entre numerosos ilhéus mais pequenos que incluem o "Alto", o "Comprido", o "Redondo" e o pequeno grupo dos "Ilhéus do Norte". Uma extensa barreira de recifes circundam o arquipélago e torna-se difícil ancorar nas costas das ilhas.

As ilhas Selvagem Grande e a Selvagem Pequena distam 15 quilómetros uma da outra. Existem dois países mais pequenos em área que as Selvagens: o Vaticano (44 hectares) e Mónaco (195 hectares).

Temperatura e ambiente

As temperaturas das Ilhas Selvagens excedem as da Ilha da Madeira e a temperatura do mar permanece confortável durante todo o ano. Jacques-Yves Cousteau uma vez disse que encontrou as águas mais limpas do mundo ali. Em 2003 as ilhas foram seleccionadas para s
erem candidatas nacionais para Património Mundial da UNESCO. O seu acesso é restrito, devendo os candidatos a seus visitantes requerer previamente uma autorização especial passada pelo Parque Natural da Madeira.

Na Selvagem Grande existe a chamada Casa do Governo, a electricidade provém de painéis solares e a água das chuvas é guardada em grandes cisternas, permitindo enfrentar secas que podem durar três anos.

História

As Ilhas Selvagens foram assim baptizadas em 1438 por Diogo Gomes de Sintra e terão sido descobertas pelos irmãos Pizzigani em 1364. No século XVI, as Selvagens pertenciam aos Caiados, importante família madeirense, sendo doadas a João Cabral de Noronha em 1560 pelo cónego Manuel Ferreira, descendente dos Caiados.

Em 1904, as ilhas foram vendidas à família do banqueiro Rocha Machado. Em Setembro de 1911, o governo espanhol enviou uma nota ao governo português comunicando que deliberara incorporar as Selvagens no arquipélago das Canárias e que ia montar nas ilhas um farol. A administração portuguesa protestou e foi acordado não praticar
quaisquer actos que pudessem comprometer uma solução amigável da questão. Em 1938 a Comissão Permanente de Direito Marítimo Internacional confirmou a soberania portuguesa das ilhas que, em 1959, despertaram o interesse da WorldWildLife (WWF) levando-a a assinar um contrato de promessa de compra com o herdeiro Luís Rocha Machado.

Em 1971, o Estado português interveio e adquiriu as Ilhas Selvagens, instituindo-a nesse mesmo ano a Reserva Natural das Ilhas Selvagens. No ano seguinte foram apree
ndidas, nas ilhas, duas embarcações de pesca espanhola, "San Pedro de Abona" e "Áries". Em 1975, aproveitando a turbulência política em Portugal, espanhóis das Canárias desembarcaram na Selvagem Grande e hastearam a bandeira espanhola. No ano seguinte, foi apreendida a embarcação espanhola "Ecce Homo Divino" e, dois anos depois, f
oram apresados, também por pesca ilegal, outros barcos de frota espanhola. Em 1996, um helicóptero Puma AS-330 da Força Aérea Espanhola aterrou na Selvagem Grande, cometendo assim uma dupla infracção: violou o espaço aéreo português e também sobrevoou, a menos de 200 metros, uma reserva natural. No ano seguinte, voos rasantes de aviões militares 
espanhóis tiveram como consequência a chamada do embaixador espanhol Raúl Morodo ao Ministério dos Negócios Estrangeiros português. Em 2005, um vigilante e um biólogo da reserva natural das ilhas Selvagens foram mesmo ameaçados e perseguidos por pescadores furtivos espanhóis.

As Cagarras

Cagarra é a designação comum dada às aves procelariformes do género Calonectris. Os seus parentes mais próximos, dentro da família Procellariidae são as pardelas.

As cagarras são aves marinhas de corpo fusiforme e asas longas. A sua plumagem é escura (cinzenta ou acastanhada) no dorso e branca na zona da barriga.

As cagarras são aves migratórias de longa distância, que passam a maior parte da vida voando sobre os oceanos de águas temperadas a frias. O seu único contacto com terra é na época de reprodução, quando se reunem em ilhas e áreas costeiras para nidificar em zonas rochosas.

O ninho é construído como uma espécie de toca e visitado pelos progenitores apenas durante a noite. Cada postura é composta por um único ovo.

A alimentação das cagarras é feita à base de peixes e cefalópodes.

Nos arquipélados portugueses (Madeira e Açores) encontram-se a maior concentração mundial de cagarras, espécie que se encontra em regressão a nível mundial devido à vulnerabilidade que apresenta e à presença de predadores terrestres e à actividade humana. Por esse facto foi necessário proceder por via da lei à protecção desta ave marinha com leis nacionais e internacionais, que impedem a sua captura, detenção ou abate, assim como a destruição ou danificação do seu habitat.

Trata-se da ave marinha mais abundante nos Açores, região a que regressa todos os anos em Março para acasalar e nidificar.

Todos os anos as cagarras regressam à mesma ilha e ao mesmo ninho onde se reproduziram pela primeira vez. O parceiro é sempre o mesmo todos os anos e os rituais de reconhecimento e acasalamento são complexos. As crias nascem em Maio e em Outubro abandonam os ninhos rumo ao mar. Só regressam para se reproduzir passados 5 anos.

A cagarra alimenta-se, muitas vezes, em simultâneo com tunídeos ou golfinhos, já que estas espécies fazem com que os animais de que se alimentam, nomeadamente peixe, lulas e Crustáceos, se aproximem da superfície.

Trata-se de uma ave adaptada à vida em alto mar e que pode viver até 40 anos.

Origem: Wikipédia
Link: http://viagensemportugues.blogspot.com/2010/10/ilhas-selvagens-madeira-portugal.html
publicado por Pedro Quartin Graça às 18:04 | link do post | comentar
Sábado, 12.02.11

A Reserva Natural do Garajau está em risco!

publicado por Pedro Quartin Graça às 21:22 | link do post | comentar
Terça-feira, 25.05.10

As Ilhas Selvagens no Arquivo Histórico da Madeira

TERÇA-FEIRA, 25 DE MAIO DE 2010

O Archipelago das Selvagens - Ernesto Vasconcellos (1917)

Vasconcellos, Ernesto - «O Archipelago das Selvagens», inFolhas d'ouro, gentilmente collaborado por excriptores e artistas portuguezes: (album litterario e artístico), Porto, Carlos de Vasconcelos, 1862-1945, ed. lit.; Jorge, Ricardo, 1858-1939, ed. lit., Lisboa: Typ. dos Caminhos de Ferro do Estado, 1917, págs. 331 - 337.

De entre os muitos colaboradores desta obra temos de destacar o texto da autoria de Ernesto Vasconcelos sobre as ilhas Selvagens.
Por: Paulo Campos
publicado por Pedro Quartin Graça às 21:07 | link do post | comentar
Segunda-feira, 22.02.10

Madeira no nosso coração

tags:
publicado por Pedro Quartin Graça às 22:59 | link do post | comentar
Quinta-feira, 11.06.09

Ilhas Selvagens

publicado por Pedro Quartin Graça às 09:33 | link do post | comentar

Ilhas Selvagens

publicado por Pedro Quartin Graça às 09:33 | link do post | comentar
Sábado, 23.05.09

Madeira: Visita de Jaime Gama


Madeira: Marco de correio mais a sul de Portugal, nas Selvagens, é usado sobretudo por coleccionadores

Funchal, 23 Mai (Lusa) - Nas Ilhas Selvagens, o sub-arquipélago mais a sul do território de Portugal que será visitado terça-feira pelo presidente da Assembleia da República, existe um marco de correio que é procurado sobretudo por coleccionadores de selos.

Lusa

Funchal, 23 Mai (Lusa) - Nas Ilhas Selvagens, o sub-arquipélago mais a sul do território de Portugal que será visitado terça-feira pelo presidente da Assembleia da República, existe um marco de correio que é procurado sobretudo por coleccionadores de selos.

Fonte do Parque Natural da Madeira confirmou à agência Lusa que coleccionadores de filatelia solicitam aos vigilantes que levem correspondência para ser carimbada e enviada daquele "serviço dos Correios".

Outros utilizadores deste marco são alguns turistas e tripulações de veleiros que passam naquele local.

O marco do correio foi mais um dos elementos utilizados por Portugal como símbolo de soberania sobre aquele território, tendo sido instalado durante a visita oficial que Jorge Sampaio efectuou na qualidade de Presidente da República, em Abril de 2003.

A demonstração da soberania portuguesa sobre aquele território aconteceu na sequência de um diferendo com Espanha, visto que as Selvagens estão mais próximo de Canárias, tendo acontecido alguns voos de aeronaves sobre as ilhas, pelo que anteriormente, Mário Soares também se deslocou aquela parcela do território.

A primeira mala de correio a chegar das Selvagens foi registada nos Correios do Funchal a 08 de Maio desse ano, contendo 136 postais, sobretudo para a Madeira.

A recolha postal é feita a cada três semanas quando acontece a substituição dos vigilantes do Parque Natural, os únicos habitantes temporários das Selvagens

As Ilhas Selvagens estão localizadas no Atlântico Norte, entre os paralelos 30º 01' 35'' Norte e os 30º 09' 10'' Norte e os meridianos 15º 52' 15'' e 16º 03' 15'' Oeste e têm uma área aproximada de quatro quilómetros quadrados, a 163 milhas da ilha da Madeira (230 quilómetros) e 82 milhas (165 quilómetros) de Canárias, sendo constituídas pela Selvagem Grande, Selvagem Pequena e o Ilhéu de Fora.

Desde 1971 estão classificadas como Reserva Natural Integral, foram também distinguidas com o Diploma Europeu pelo Comité de Ministros do Conselho da Europa e fazem parte dos Sítios de Importância Comunitária na Rede Natura 2000.

Devido à sua biodiversidade, são candidatas a Património Mundial Natural da UNESCO, processo que está "em vias de reformulação para garantir que a candidatura seja sólida, bem sustentada", disse à Lusa o director desta estrutura madeirense, Paulo Oliveira.

publicado por Pedro Quartin Graça às 20:16 | link do post | comentar

Madeira:Presidente da Assembleia da República em missão de soberania e de estudo às Ilhas Selvagens

Funchal, 23 Mai (Lusa) - O presidente da Assembleia da República efectua terça-feira uma “visita de estudo” e “missão de soberania” às Ilhas Selvagens, o sub-arquipélago da Região Autónoma da Madeira que é o território mais a sul de Portugal.

Jaime Gama desloca-se a bordo da fragata da Armada Portuguesa “Bartolomeu Dias” acompanhado por deputados da Comissão de Defesa Nacional da AR, designadamente Júlio Miranda Calha, Correia de Jesus, João Rebelo e António Filipe.

Aquele sub-arquipélago, situado a 250 quilómetros da Madeira e a 165 a norte das Canárias, é constituído por duas ilhas principais - a Selvagem Grande, a Selvagem Pequena e o Ilhéu de Fora - e várias ilhotas, tendo têm uma área total de 273 hectares.

Foram questões relacionadas com a sua constituição e localização geográfica que levaram o estado espanhol a violar várias vezes o espaço aéreo com voos de aeronaves, situação que “obrigou” Portugal a fazer missões consideradas “de soberania” aquela parcela do território.

A sua proximidade com as ilhas Canárias provocou em tempos uma acesa discussão sobre a Zona Económica Exclusiva, tendo Espanha, com base na interpretação de leis internacionais considerado que as Selvagens eram ilhéus pelo que não podem envolver uma Zona Económica Exclusiva de 200 milhas, enquanto que Portugal manteve que eram ilhas.

As Selvagens receberam assim visitas de uma missão do Conselho da Europa (Outubro de 1991), da Comissão de Defesa Nacional em 1997 e deslocações oficiais de dois Presidentes, Mário Soares (1993) e Jorge Sampaio (2003)

Fonte do gabinete de Jaime Gama disse à Lusa que esta visita se integra neste objectivo de reafirmação de soberania, estando também relacionada com o facto de Portugal ter entregue no passado dia 11 de Maio, em Nova Iorque, nas Nações Unidas, a sua proposta de extensão da plataforma continental.

Este projecto português é acompanhado por outros do Brasil, Guiné-Bissau e Cabo Verde que, se for aceite, duplicará a área sob jurisdição portuguesa, estendendo-a até aos 3,6 milhões de quilómetros quadrados.

O governo português considera que este processo “é tão importante como foram os descobrimentos”, classificando-o de “descobrimentos do século XXI”.

Na visita do presidente da Assembleia da República participam ainda o chefe de Estado-Maior da Armada, almirante Melo Gomes e o secretário regional do Ambiente e Recursos Naturais, Manuel António Correia.

Jaime Gama passará o dia naquele local, regressando a Lisboa de avião.

As Ilhas Selvagens são consideradas um pólo de biodiversidade terrestre e marinha e constituem uma Reserva Natural, que integra o Parque Natural da Madeira), criada em 1971, sendo uma das mais antigas de Portugal, galardoada com o Diploma Europeu do Conselho da Europa, fazendo parte dos Sítios de Importância Comunitária na Rede Natura 2000.

Assumem grande importância ao nível da flora - das 105 plantas vasculares distintas, 11 são endémicas - e da fauna, sendo um santuário de nidificação de aves marinhas.

Nestas ilhas existe a maior colónia de Cagarras do mundo, ave que esteve em perigo de extinção, de Calcamares, de Pintainhos, da Alma Negra, Roque de Castro, entre outras, e nelas vivem ainda vertebrados (osga e lagartixa) e insectos considerados únicos daquelas ilhas assim como cardumes de moreias, peixe-cão, garoupa, charuteiras.

As Ilhas Selvagens pertencem ao concelho do Funchal, freguesia da Sé, estão sob a tutela do Parque Natural da Madeira que ali faz permanecer, de 21 a 21 dias, dois vigilantes da natureza, e têm ainda a colaboração do Comando da Zona Marítima da Madeira.

São conhecidas desde o século XIV (cartografia), mas é a Diogo Gomes, navegador do Infante D. Henrique, que é dado como sendo o seu descobridor oficial, entre 1451 e 1456.

Do senhorio de D. Infante D. Henrique, passou para a Coroa, desta para a propriedade privada que se manteve até 1971, data em que foram adquiridas pelo Estado português por 1500 contos.

Em fase de reformulação está também um processo de candidatura das Selvagens a Património Natural da Unesco.

publicado por Pedro Quartin Graça às 20:08 | link do post | comentar
Bem-vindo ao Blog “Ilhas Selvagens”! Este é um espaço dedicado à divulgação das Ilhas Selvagens, subarquipélago da Madeira, o extremo mais a sul do território nacional. Uma janela aberta ao mundo e um retrato da zona mais desconhecida de Portugal. Entre e explore as ilhas!

Pedro Quartin Graça

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Redes Sociais - Social Networks

Instagram

últ. comentários

arquivos

Ilhas Selvagens TV

tags

todas as tags

subscrever feeds

posts recentes

blogs SAPO

Translation

Música ambiente

Escreva-nos

10710775_lB2Wc E-mail: pedroquartingraca@gmail.com Tlm: (+351) 96 964 0021