Publicidade - Advertising

Quarta-feira, 07.07.10

ROV Luso


Veículo deverá investigar estrutura geológica em forma de ovo estrelado

Robô submarino Luso funciona sem problemas depois de resgatado

O Ovo Estrelado é a estrutura geológica que o Luso vai investigar
07.07.2010 - 18:06 Por Teresa Firmino
Os sistemas do veículo submarino Luso encontram-se a funcionar sem problemas, disse hoje Manuel Pinto de Abreu, o responsável pela Estrutura de Missão e Extensão da Plataforma Continental (EMEPC), que comprou este aparelho não tripulado. Se, no final de todas as verificações, se confirmar que não existem anomalias, o veículo irá mergulhar numa estrutura geológica em forma de ovo estrelado, a sul dos Açores.
O Ovo Estrelado é a estrutura geológica que o Luso vai investigar (EMEPC)
Desde ontem que estão em curso várias verificações de segurança, depois de o veículo ter sido recuperado do fundo do mar ao largo das ilhas Selvagens, onde se afundou ao ter-se separado do cabo que o ligava ao navio “Almirante Gago Coutinho” . “Foi todo desmontado e espera-se levar mais dois dias até fazer as verificações todas", diz Pinto de Abreu. O que esteve na origem da separação do cabo é que continua a ser um mistério: “Estamos a investigar. Houve a acção de um elemento exterior sobre o ROV [sigla inglesa de veículo operado remotamente]. Não sabemos o que pode ter sido.” Se os procedimentos de segurança acabarem por não revelar de facto quaisquer problemas, na sexta-feira o Luso deverá seguir a bordo do “Almirante Gago Coutinho”, que já chegou ao Funchal, para a missão que estava programada nesta altura do ano. Irá mergulhar até a uma estrutura geológica a dois mil metros de profundidade, e cerca de 150 quilómetros a sul dos Açores: com o formato de um ovo estrelado (na imagem em tom de azul, à esquerda). A origem desta formação tem intrigado os cientistas. A sua forma, relativamente circular, tem seis quilómetros de diâmetro e no centro apresenta uma elevação, como se fosse uma gema de ovo, com três quilómetros de diâmetro. A estrutura foi descoberta no ano passado, quando as equipas da EMEPC olharam para os dados sobre a morfologia do fundo do mar, recolhidos através de uma sonda com múltiplos feixes sonoros que permite construir mapas de grande resolução do revelo. Detectaram o Ovo Estrelado, como lhe chamaram, e logo foram sendo lançadas hipóteses sobre a sua origem. Será que é a cratera de impacto de um meteorito? Será que é um vulcão de lama, formações que, em vez de lava, expelem sedimentos finos carregados de metano, como as que existem no golfo de Cádis, ou com outra fonte energética?A ideia é que o Luso mergulhe aí pela primeira vez, e ajude a desvendar a natureza do Ovo Estrelado.
publicado por Pedro Quartin Graça às 22:26 | link do post | comentar

Público


Robô submarino Luso recuperado hoje do fundo do mar

06.07.2010 - 11:37 Por Teresa Firmino
O veículo submarino não tripulado Luso, que se tinha afundado ao largo da Selvagem Grande, ilha do arquipélago da Madeira, foi recuperado esta manhã do fundo do mar, depois de uma primeira tentativa falhada levada a cabo anteontem. Foi resgatado às 11h. Está agora a bordo do navio oceanográfico “Almirante Gago Coutinho”, da Marinha portuguesa.

O Luso encontrava-se numa expedição às ilhas Selvagens, a 163 milhas a sul da Madeira, com o objectivo de inventariar a sua biodiversidade marinha. Na noite de 23 de Junho, quando regressava ao navio de um mergulho a cerca de 600 metros de profundidade, o cabo que ligava o Luso ao “Almirante Gago Coutinho” partiu-se e o veículo afundou-se. O que esteve na origem do problema não está ainda esclarecido. Na operação de recuperação esteve envolvido outro robô submarino não tripulado pertencente à empresa norueguesa que vendeu o Luso a Portugal, em 2008. Anteontem, fez-se a primeira tentativa de resgate com a ajuda do veículo norueguês, que desceu até junto do aparelho português para soltar a sua alça de recuperação de emergência, a que depois prendeu um cabo com o seu braço robotizado. Desta forma, o Luso, veículo operado remotamente (ou ROV) a partir do “Almirante Gago Coutinho”, e que consegue mergulhar até seis mil metros, ainda chegou a ser trazido quase até à superfície e pouco faltou para que regressasse ao convés do navio. “Mas o gancho próprio para a recuperação trazido pelos noruegueses não funcionou bem e o ROV perdeu-se”, explica Paulo Neves Coelho, da Estrutura de Missão e Extensão da Plataforma Continental, que comprou o Luso. O problema foi que, na segunda ida ao fundo, o ROV português já não emitia um sinal acústico, que permitiria saber a sua localização exacta. “As baterias gastaram-se. Tínhamos uma ideia do percurso para baixo, que não é linear. É como largar uma folha de papel de um quarto andar: vai andando por ali. Desconfiava-se que estava num raio de 250 metros.”Foi portanto necessário procurar o Luso lá em baixo, através de uma sonda com múltiplos feixes sonoros no navio, que indicou vários ecos de dimensão equivalente ao Luso. Entrou em seguida em acção o ROV norueguês para ver se algum desses ecos correspondia ao veículo português e, ao final da tarde de ontem, o Luso era localizado. Para que a segunda tentativa de recuperação não ocorresse de noite, as operações foram retomadas apenas esta manhã, agora com sucesso.
publicado por Pedro Quartin Graça às 06:45 | link do post | comentar
Domingo, 04.07.10

Correio da Manhã


Arquipélago da Madeira

Submarino pode vir hoje à superfície

O submarino português não-tripulado ROV ‘Luso’ poderá hoje vir à superfície, caso seja concluído com êxito o trabalho de resgate a bordo do navio ‘Almirante Gago Coutinho’, que ontem se deslocava para o local ao largo das ilhas Selvagens (Madeira), onde desapareceu o aparelho.
Por:J.S. 
O resgate será efectuado com recurso ao submarino não--tripulado norueguês que segue a bordo do navio e que, após ser lançado ao oceano, irá prender um cabo ao ROV ‘Luso’ para permitir que seja içado. O submarino português não-tripulado integra a missão de estudo do fundo do mar realizada ao largo das ilhas Selvagens. Um acidente fez com o que o cabo que o ligava ao navio se partisse, encontrando-se agora no fundo do oceano Atlântico, a 600 metros de profundidade.
publicado por Pedro Quartin Graça às 08:07 | link do post | comentar
Bem-vindo ao Blog “Ilhas Selvagens”! Este é um espaço dedicado à divulgação das Ilhas Selvagens, subarquipélago da Madeira, o extremo mais a sul do território nacional. Uma janela aberta ao mundo e um retrato da zona mais desconhecida de Portugal. Entre e explore as ilhas!

Pedro Quartin Graça

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Redes Sociais - Social Networks

Instagram

últ. comentários

arquivos

Ilhas Selvagens TV

tags

todas as tags

subscrever feeds

posts recentes

blogs SAPO

Translation

Publicidade - Advertising

pt.harddriveparts.com
Licença Creative Commons

Escreva-nos

10710775_lB2Wc E-mail: pedroquartingraca@gmail.com Tlm: (+351) 96 964 0021