Domingo, 22.05.11

...


Reserva Natural das Ilhas Selvagens

Parque Natural da Madeira


A exploração de plantas naturais
Logo após a descoberta, os homens tentaram rentabilizar todos os recursos disponíveis nas Ilhas Selvagens. Como exemplo temos a recolha de plantas naturais para utilização na indústria da tinturaria e dos curtumes, como sejam a urzela, o pastel e o sumagre.
A Urzela…
As Ilhas Selvagens foram exploradas para a recolha de urzela, um líquen que cresce espontaneamente nas escarpas.
O seu comércio tornou-se muito próspero no século XVIII e os proprietários das ilhas celebraram contratos temporários para esse fim. A urzela era muito usada na tinturaria, imprimindo uma cor púrpura nos tecidos e papel, e era exportada por caravelas para a Inglaterra e Flandres.
Utilização da Urzela… o seu incremento e declínio…
Segundo o autor das “Ilhas de Zargo”, a aplicação deste líquen à tinturaria fazia-se depois de «convenientemente preparado com adicionamento de urina para o curtimento, (uma vez) libertada do amoníaco pela acção da cal, e reduzida a uma pasta de consistência sólida, tendo a coloração violeta avermelhada».Continuando o mesmo autor, «tomou tanto incremento o comércio de urzela no arquipélago madeirense que suscitou uma legislação especial, constituiu monopólio do Estado, foi empresa de contratadores e traficância de contrabandistas quando, por protecção à urzela de Cabo Verde, se desacreditou intencionalmente a da Madeira, depois de aceita e preferida em toda a Europa como a melhor no mercado; e proibiu-se a sua exportação com grande prejuízo dos Municípios». (…). «Nem a qualidade do produto, nem as providências dos Governadores resolveram o problema, porque o trabalho dos negros em Cabo Verde e a Descoberta das anilinas na Europa deram o golpe de morte na urzela da Madeira retirando a importância comercial da também colhida nas Selvagens».
O Pastel
Um outro produto natural de igual riqueza comercial na Europa, que valorizou as ilhas Selvagens a partir do século XV, foi o pastel, planta glauca, de cujas folhas se extraía um líquido azul empregado na coloração de panos comerciais. Segundo relatos: «Teve o pastel muito emprego no continente europeu desde João Gonçalves Zarco. Exportava-se, já seco ao sol ou amassado em bolas depois de sua fermentação».
O Sumagre
O sumagre foi muito explorado nestas ilhas, pois empregava-se esta planta no curtimento de couros e peles destinados à indústria de calçado, muito usado pelo povo da época. O curtume era feito com as folhas e casca da referida planta que era muito consumida na Europa.
A Barrilha
Outras plantas eram igualmente exploradas nestas ilhas, mais conhecidas por Barrilha, colhidas para serem utilizadas no fabrico de sabão. Extraía-se a soda destas plantas, pondo-as a secar ao sol e queimando-as depois dentro de covas feitas no terreno. Depois de queimados os corpos que entram na composição da barrilha, ficava pelo arrefecimento uma substancia dura e alcalina denominada soda bruta, e a que os madeirenses chamavam pedra de barrilha ou pedra de fazer sabão. A soda bruta era descarbonatada pela cal.
Note-se que existem registos da existência de um forno de soda na Selvagem Grande, tal era a exploração destas plantas e que todas as actividades referidas constituíam excelentes fontes de rendimento.
publicado por Pedro Quartin Graça às 06:45 | link do post | comentar
Domingo, 08.05.11

Reserva Natural das Ilhas Selvagens

Este ano comemora-se o quadragésimo aniversário da Reserva Natural das Ilhas Selvagens, a reserva mais antiga de Portugal. Na origem da criação desta Reserva esteve a sobrexploração daquela ave que é o seu “ex – libris”: a Cagarra.
A caça da Cagarra leva 
à criação da Reserva Natural
A criação da Reserva Natural das Ilhas Selvagens está intimamente ligada à caça da Cagarra. Esta foi a actividade mais lucrativa na história destas ilhas e foi a sobrexploração da população desta ave marinha que originou os primeiros esforços para a criação da referida Reserva. No fim dos anos 60, Paul Alexander Zino adquiriu os direitos de caça destas ilhas com a intenção de as proteger. Foi este o primeiro passo que conduziu à criação da Reserva Natural das Ilhas Selvagens…

Quando começou…
A caça a estas aves remonta muito provavelmente a muito antes de 1841, já que nessa data Berthelot afirmava ter havido uma caçada anual de 30 mil aves e que era considerada uma “boa caçada”.
Em 1901, o padre Ernest Shmitz referia que eram caçadas 20 a 22 mil aves por ano mas que o seu número não diminuía comprovando a elevada densidade da população e, em 1921, já havia quem afirmasse existir uma população de 60 mil aves!

Expedição e sua preparação…
De Setembro a Outubro de cada ano, ou no fim da época de reprodução, eram organizadas expedições a estas ilhas com o intuito de capturar o máximo possível de juvenis. 
Os preparativos para as expedições eram um processo moroso e longo, em que era necessário angariar e escolher o pessoal que iria caçar, os mantimentos para uma estadia que demoraria cerca de um mês e meio a dois meses, barris para guardar as aves, sal para a sua conservação, cestos, embalagens, etc.
O grupo de pessoas que compunha a expedição era cerca de 15 a 20 homens, que provinham especialmente da Freguesia de São Gonçalo e Caniço, perto do Funchal.
A viagem até à Selvagem Grande levava cerca de 2 a 4 dias, com a navegação à vela, dependendo do favorecimento dos ventos e o navio após deixá-los em terra, voltava ao Funchal.

A caça
Depois eram organizados em grupos de 8 orientados por um “assistente”. A estratégia baseava-se em se colocarem em linha e passarem pelos ninhos, onde iam retirando os juvenis dos ninhos e matando-os.

O aproveitamento…
Os animais depois de mortos eram aproveitados para serem utilizados de várias formas: consumo humano inclusive os pescoços que eram considerados uma iguaria, a gordura que era posta ao sol e derretida transformando-se em óleo, fabrico de colchões com as penas que também eram usadas para confeccionarem flores artificiais, e outros fins, tal como o engodo. 
A carne da Cagarra era vendida nos concelhos do Funchal, Santa Cruz e Machico e consisti num importante suplemento no consumo alimentar das populações menos favorecidas.

Duração
A expedição durava cerca de 3 semanas, de manhã à noite, até ao navio voltar e levar de volta os homens para a Madeira.
No entanto, a população de Cagarras mantinha-se estável pois o número de juvenis que escapavam era suficiente para repor o equilíbrio na população.

Fim da actividade
Estas actividades foram mantidas de uma forma controlada até se iniciar a utilização de barcos a motor, altura em que a colónia começou a mostrar fortes indícios de regressão, pois as Cagarras eram indiscriminadamente caçadas furtivamente à revelia dos proprietários das ilhas, caçando juvenis e adultos!
A última expedição às Ilhas Selvagens para a matança dos juvenis da Cagarra, partiu do Funchal a 15 de Setembro de 1967, a bordo do barco “Milano”. 
 
publicado por Pedro Quartin Graça às 07:36 | link do post | comentar
Bem-vindo ao Blog “Ilhas Selvagens”! Este é um espaço dedicado à divulgação das Ilhas Selvagens, subarquipélago da Madeira, o extremo mais a sul do território nacional. Uma janela aberta ao mundo e um retrato da zona mais desconhecida de Portugal. Entre e explore as ilhas!

Pedro Quartin Graça

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

últ. comentários

arquivos

Ilhas Selvagens TV

tags

todas as tags

subscrever feeds

posts recentes

blogs SAPO

Translation

Licença Creative Commons

Escreva-nos

10710775_lB2Wc E-mail: pedroquartingraca@gmail.com Tlm: (+351) 96 964 0021