Terça-feira, 14.06.11

João Rodrigues no Guiness


Por Redacção - A Bola

O português João Rodrigues tem entrada garantida no famoso livro do Guiness, depois de ter cumprido hoje a travessia mais longa num só dia em prancha-à-vela, sem paragens, entre a ilha da Madeira e as ilhas Selvagens.

João Rodrigues navegou ao longo de 160 milhas, num total de 12 horas, cumprindo o objectivo de entrar no famoso livro de recordes mundiais.

A iniciativa inseriu-se nas comemorações do quadragésimo aniversário da criação da Reserva Natural das Ilhas Selvagens
.
publicado por Pedro Quartin Graça às 22:07 | link do post | comentar

João Rodrigues liga Madeira e Selvagens com sucesso e entra no Guinness

João Rodrigues já está nas Selvagens




Fonte: Facebook

Áudio

Velejador cumpre travessia de 160 milhas em 10 horas
Notável! João Rodrigues navegou numa prancha à vela entre a Madeira e as ilhas Selvagens, que distam 160 milhas. A travessia foi feita em pouco mais de 10 horas, já que o olímpico madeirense deixou o cais do Caniçal na ilha da Madeira eram 7 horas desta terça-feira, tendo concluído a sua navegação pelas 17 horas, momento em que os vigilantes do Parque Natural da Madeira lhe deram as boas vindas no cais/rampa de acesso a terra na baía das Cagarras, já em plena Selvagem Grande.
Assumindo o desafio de realizar a mais longa travessia à vela, numa prancha, em mar aberto e sem referências visuais, o mais olímpico dos velejadores portugueses - tem cinco participações  nos Jogos Olímpicos - procura divulgar o património natural português e chamar a atenção para o trabalho de conservação desenvolvido pelo Parque Natural da Madeira nas suas várias reservas naturais, assim como para a vastíssima biodiversidade das Ilhas Selvagens, superior à das ilhas Galápagos, como há muito afirmou Charles Darwin. Esta iniciativa integra o programa das comemorações do quadragésimo aniversário da criação da Reserva Natural das Ilhas Selvagens, a primeira reserva natural de Portugal.
João Rodrigues navegou sempre com o vento pela alheta da sua prancha, beneficiando do facto deste soprar do quadrante nordeste, o que lhe permitiu uma navegação a favor, num rumo quase directo em que os bordos feitos tiveram como propósito, apenas, fazer descansar as pernas e os braços alternadamente.
Se durante as primeiras obras a navegação não colocou dificuldades de maior ao experiente velejador, que aos 40 anos já navegou em todos os oceanos do planeta, na aproximação às duas ilhas principais deste grupo de ilhéus em pleno oceano Atlântico João Rodrigues debateu com ondas superiores a três metros, o que o obrigou a uma mareação mais exigente fisicamente.
Antes de iniciar a travessia, João Rodrigues destacou que “a travessia entre ilhas faz parte do dia-a-dia de qualquer ilhéu. Em tempos idos, seria uma questão até de sobrevivência, mas actualmente os transportes marítimos banalizaram aquelas que eram verdadeiras epopeias marítimas. Esta travessia entre a Madeira e a Selvagem Grande, é o concretizar de um sonho acalentado há vários anos a esta parte mas que visa também reviver a mais antiga forma de viajar no mar: ao sabor do vento”.
Depois de chegar às Selvagens, o velejador falou á TSF-Madeira e ao DIÁRIO, numa entrevista que aqui reproduzimos.
A travessia entre a Madeira e as Selvagens tem uma distância equivalente a 296 quilómetros, com a particularidade do velejador ter conseguido uma velocidade média de 30,5 Kms/hora.
publicado por Pedro Quartin Graça às 21:41 | link do post | comentar

De prancha à vela entre a Madeira e as Ilhas Selvagens

João Rodrigues está neste momento a fazer a travessia entre a Madeira e as Ilhas Selvagens. A viagem que é candidata ao Guinness como a mais longa do mundo do género.
publicado por Pedro Quartin Graça às 15:10 | link do post | comentar

Jornal da Madeira distingue Blog Ilhas Selvagens

                        Sugestões JM
                       Blog e sites do dia
http://www.siemens.com/entry/cc/en

Organizado pelo Financial Times e pela consultora Bowen Craggs , a edição deste ano do FT Bowen Craggs Index atribuiu à Siemens o prémio de melhor site institucional.
Em cinco anos que o índice é organizado, esta é a terceira vez que a empresa conquista a distinção, depois de 2007 e 2008, ficando em segundo lugar em 2010 e em quarto em 2009


http://www.odisseias.com/promotion.aspx

As compras colectivas estão a ganhar um espaço crescente e o Odisseias não quis ficar de fora, lançando um Clube para quem ter acesso a experiências de lazer e cultura com descontos que podem ir até 90%. As promoções são escolhidas entre as ofertas da marca e têm uma duração limitada.


http://ilhasselvagens.blogspot.com/

As Ilhas Selvagens estão a comemorar os seus 40 anos e este blog relata todos os acontecimentos que irão decorrer este ano, bem como um pouco do dia-a-dia daquela reserva natural.
 

publicado por Pedro Quartin Graça às 06:42 | link do post | comentar

Ligação às Selvagens

João Rodrigues cumpre percurso entre Madeira e as Selvagens em prancha à vela
João Rodrigues, velejador olímpico, terá partido logo ao início do dia de hoje do Caniçal, em prancha à vela, em direcção às Selvagens.
O velejador olímpico madeirense João Rodrigues faz hoje uma travessia em prancha à vela inédita entre a Madeira e as Ilhas Selvagens, a primeira reserva de Portugal.
A iniciativa integra-se no programa das comemorações dos 40 anos daquelas ilhas inabitadas do arquipélago da Madeira.
A travessia é apoiada pelas secretaria regionais do Ambiente e Recursos Naturais e da Educação e Cultura que consideram que “contribuirá para a projecção da região a nível internacional”, visto que João Rodrigues é um atleta conhecido nesta modalidade desportiva. 
As Ilhas Selvagens são um pequeno arquipélago no território da Região Autónoma da Madeira, estando situadas mais perto das Canárias (a 165 quilómetros a norte) do que da ilha da Madeira.
Este pequeno arquipélago é constituído por duas ilhas principais (Selvagem Grande e a Selvagem Pequena) e outras ilhotas de origem vulcânica, tendo um área total de 273 hectares.
É considerado um “santuário para aves” e tem como “habitantes” temporários apenas os guardas do Parque Natural da Madeira.
Foi declarada reserva natural nacional em 1971, sendo uma das mais antigas de Portugal a ter este estatuto.
A travessia poderá ser acompanhada on-line no endereço facebook.com/Parque Natural da Madeira http://live.adventuretracking.com/FunchalCrossing.
 
publicado por Pedro Quartin Graça às 06:40 | link do post | comentar
Segunda-feira, 13.06.11

Velejador olímpico faz travessia inédita para assinalar 40 anos da reserva natural das Selvagens

Jornal da Madeira
Segunda, 13 de Junho de 2011 16:25
O velejador olímpico madeirense João Rodrigues faz na terça-feira uma travessia em prancha à vela inédita entre a Madeira e as Ilhas Selvagens, a primeira reserva de Portugal.
A iniciativa integra-se no programa das comemorações dos 40 anos daquelas ilhas inabitadas do arquipélago da Madeira.
A travessia é apoiada pelas secretaria regionais do Ambiente e Recursos Naturais e da Educação e Cultura que consideram que “contribuirá para a projeção da região a nível internacional”, visto que João Rodrigues é um atleta conhecido nesta modalidade desportiva.
A travessia poderá ser acompanhada on-line no endereço facebook.com/Parque Natural da Madeira http://live.adventuretracking.com/FunchalCrossing .As Ilhas Selvagens são um pequeno arquipélago no território da Região Autónoma da Madeira, estando situadas mais perto das Canárias (a 165 quilómetros a norte) do que da ilha da Madeira.
Este pequeno arquipélago é constituído por duas ilhas principais (Selvagem Grande e a Selvagem Pequena) e outras ilhotas de origem vulcânica, tendo um área total de 273 hectares.
É considerado um “santuário para aves” e tem como “habitantes” temporários apenas os guardas do Parque Natural da Madeira.
Foi declarada reserva natural nacional em 1971, sendo uma das mais antigas de Portugal a ter este estatuto.



JORNAL DA MADEIRA/LUSA
publicado por Pedro Quartin Graça às 17:04 | link do post | comentar

SELVAGENS 40 ANOS – TRAVESSIA MADEIRA–SELVAGENS EM PRANCHA À VELA TERÁ INÍCIO ESTA MADRUGADA

No âmbito das comemorações dos 40 anos da Reserva Natural das Ilhas Selvagens, a primeira reserva natural do país, o atleta olímpico e velejador João Rodrigues, padrinho destas comemorações, parte esta madrugada para aquela que será uma travessia inédita: MADEIRA – SELVAGENS EM PRANCHA À VELA. 

Siga esta aventura em http://live.adventuretracking.com/FunchalCrossing

Veja ainda o vídeo da preparação desta travessia, da autoria de Henrique Seruca, em: http://www.facebook.com/video/video.php?v=1764444509

Saiba mais sobre esta reserva natural em www.pnm.pt e em http://www.facebook.com/parquenaturaldamadeira


publicado por Pedro Quartin Graça às 17:00 | link do post | comentar

Ligação inédita: João Rodrigues liga Madeira às Selvagens em prancha à vela

O atleta olímpico João Rodrigues inicia amanhã, às primeiras horas do dia, a primeira tentativa de travessia Madeira – Ilhas Selvagens em prancha à vela. A partida do cais da lota do Caniçal está prevista para as 6h30.

Recorde-se que esta ligação inédita surge no âmbito das comemorações do 40º aniversário do Parque Natural.
A travessia pode ser acompanhada pela internet, através do endereço
publicado por Pedro Quartin Graça às 15:13 | link do post | comentar
Quinta-feira, 09.06.11

Parabéns selvagens



PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
Ambiente
Escrito por Yvette Vieira   
Segunda, 06 Junho 2011 19:57


As ilhas Selvagens são um santuário natural para a fauna e a flora únicas em todo o mundo e este ano comemoram o seu 40º aniversário.



As ilhas selvagens foram classificadas como reserva natural no dia 29 de Outubro de 1971, um título que teve como principal intuito a preservação de uma das maiores áreas de nidificação de aves marítimas do Atlântico Norte. Devido ao seu carácter inóspito reforçado pelo falta de água potável e pelos perigosos baixios que ameaçavam as embarcações, desde a sua descoberta no século XV, que poucas intenções houve para a colonização destas ilhas. Contudo, há alguns vestígios na Selvagem Grande e actualmente existe um núcleo em permanência de vigilantes da natureza a residir no território. Uma outra curiosidade é que um dos ilhéus pertence a um particular, a família Zino, aliás Paul Alexander Zino foi um responsáveis também pela preservação da fauna local, deu inicio a primeira fase de anilhagem das Cagarras.
Após a sua descoberta uma das primeiras formas de rentabilizar este conjunto de ilhas, já que o povoamento era difícil, foi a recolha de plantas endémicas para a sua utilização na indústria da tinturaria e curtumes. A urzela, um líquen que cresce espontaneamente no rochedo, foi usado na tinturaria e no papel pelo seu tom púrpura, era até exportado para Flandres e Inglaterra. O pastel, uma planta glauca, era também muito utilizada pelo comércio de tecidos, porque das suas folhas se extraia um líquido azul, contrariamente ao nome. A barrilha, por outro lado, era um dos ingredientes para a confecção de sabão, um processo que implicava a secagem ao sol desta planta, sendo de seguida queimada e dos restos calcinados, após o arrefecimento, surgia uma substância endurecida que era denominada soda bruta.
A zona das selvagens possui uma grande variedade de espécies de aves marítimas, como já foi referido anteriormente, sendo de destacar, as famosas Cagarras, cuja colónia é a mais numerosa no território, contando já com 13 600 casais. As Almas Negras, os Calcamares e os Painhos também nidificam em grandes números, o que torna estas ilhas um autêntico santuário ornitológico.
Agora chega de falar de aves e plantas, vamos ao que é um dos maiores mitos da ilha, um imenso tesouro do capitão William Kidd, o temerário. Sim é verdade, segundo reza a lenda no ano do senhor de 1690, este famoso pirata dos mares, escondeu uma parte do seu saque em jóias e dobrões em ouro espanhóis numa das muitas cavernas existentes neste conjunto de ilhas. Infelizmente, ninguém ainda o encontrou e apesar de ser uma história muito interessante, o facto é que se houvesse algum vestígio deste magnífico tesouro já teria sido achado e reclamado, uma vez que houve várias expedições ao longo dos séculos nesse sentido. Enterrado não foi de com certeza, o carácter vulcânico deste território tornaria a tarefa quase impossível, mas claro, ele teria “delegado” esse esforço a alguém e até desse infeliz teriam sobrado alguns vestígios! O nome contudo pegou, existe uma caverna designada por Capitão Kidd, na Selvagem Grande.
*in ilhas Zarco
Actualizado em Segunda, 06 Junho 2011 22:56
publicado por Pedro Quartin Graça às 14:24 | link do post | comentar
Domingo, 05.06.11

Reserva Natural das Ilhas Selvagens

Parque Natural da Madeira

As tentativas de colonização…
Desde a sua descoberta no século XV, que as Ilhas Selvagens foram várias vezes alvo de tentativas de colonização mas tal não aconteceu devido à falta de água e por serem um local inóspito.
Desses períodos, na Selvagem Grande, ficaram alguns vestígios, tais como: muros de pedra que serviam de suporte à protecção das culturas, construídos pelos colonos originários do Minho e do Algarve, uma velha cisterna e respectivos canais.

A falta de água…
Já no séc. XVI aparecem registos relativos a uma fonte de água, actualmente designada por Furna da Água. Esta nascente não é mais do que uma pequena gruta, onde saem do tecto aproximadamente dois pingos de água doce de sete em sete segundos. Segundo Frutuoso (1968), “…uma fonte, que enche somente, cada dia, três ou quatro jarras de três canadas de água doce nas botijas, chamadas meias arrobas…”. 
Tudo leva a crer que houve tentativas de armazenamento e transporte testemunhado pelos vários fragmentos de cerâmica que foram encontrados nas proximidades desta fonte. 

Os proprietários das ilhas
Desde o século XVI, como território de privados, as Ilhas Selvagens foram mudando de posse por herança. Ficou na família do banqueiro Luís da Rocha Machado de 1904 até ao início dos anos 70 e na tentativa de controlar as visitas às ilhas, deu-se o direito de coutada aos seus proprietários. 

Paul Alexander Zino 

Este direito de coutada foi vendido a Paul Alexander Zino, em 1967, cuja intenção foi a de pôr fim ao abate anual de aves. Neste mesmo ano, conseguiu também uma licença para construir uma casa.

Criação da Reserva

Em 1971, as Ilhas Selvagens ficam sob a administração territorial da Região Autónoma da Madeira e são classificadas como Reserva. Desta forma as Selvagens passaram a ser uma Reserva, "essencialmente ornitológica", como uma das mais importantes áreas de nidificação de aves marinhas de todo o Atlântico Norte. 

1976…período “conturbado”

No período de mudança de regime político em Portugal (1974/75), as Selvagens foram também “alvo desta época revolucionária” da história do País, não sendo imunes aos "excessos" próprios deste período. Assim, em 1976, populares "conhecedores das ilhas" em embarcações de pesca desembarcaram na Selvagem Grande e destruíram as casas existentes. Estes, alegando chavões políticos relacionados com o direito à propriedade, exigiam a liberdade da apanha das cagarras, não licenciada nem autorizada por força da lei da Reserva Natural, tendo sido impedidos pela acção de Paul Alexander Zino e dos guardas que este tinha contratado na altura.

Necessidade de vigilância…os guardas das Ilhas

Consequentemente, desde 1976, a Selvagem Grande tem vigilância permanente, tendo sido construída uma casa de abrigo para os guardas da Ilha na altura. 
Nestes homens, destaca-se um, Fernando Almada, pela forma contínua que efectivou constante vigilância nas Ilhas. Vários foram os seus parceiros, mas estes acabariam sempre por desistir, pois não estava só em causa o isolamento mas as condições de estada que eram parcas ou mesmo inexistentes. Depois de várias tentativas para arranjar um companheiro para formar equipa com Almada, surge então Jacques da Mata e o próprio filho de Almada, Filipe Almada (hoje, ambos Vigilantes da Natureza!) que dariam seguimento ao projecto de protecção e a ligação com os futuros Vigilantes da Natureza. 

Corpo de Vigilantes da Natureza

Posteriormente, em 1982, o Parque Natural da Madeira foi criado, dando início à gestão da Reserva Natural das Ilhas Selvagens apenas em 1991. Desde então, os guardas das ilhas passam a incorporar o Corpo de Vigilantes da Natureza, os quais hoje em dia continuam a desempenhar um papel fundamental nas demais acções de conservação como sejam, a fiscalização e vigilância da Reserva, a manutenção do estado de conservação da biodiversidade, a divulgação dos programas de investigação desenvolvidos nesta área protegida bem como a recepção, explicação e transmissão de valores aos visitantes.

Fonte: Jornal da Madeira
 


publicado por Pedro Quartin Graça às 07:56 | link do post | comentar
Bem-vindo ao Blog “Ilhas Selvagens”! Este é um espaço dedicado à divulgação das Ilhas Selvagens, subarquipélago da Madeira, o extremo mais a sul do território nacional. Uma janela aberta ao mundo e um retrato da zona mais desconhecida de Portugal. Entre e explore as ilhas!

Pedro Quartin Graça

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

últ. comentários

arquivos

Ilhas Selvagens TV

tags

todas as tags

subscrever feeds

posts recentes

blogs SAPO

Translation

Licença Creative Commons

Escreva-nos

10710775_lB2Wc E-mail: pedroquartingraca@gmail.com Tlm: (+351) 96 964 0021