ROV Luso


Veículo deverá investigar estrutura geológica em forma de ovo estrelado

Robô submarino Luso funciona sem problemas depois de resgatado

O Ovo Estrelado é a estrutura geológica que o Luso vai investigar
07.07.2010 - 18:06 Por Teresa Firmino
Os sistemas do veículo submarino Luso encontram-se a funcionar sem problemas, disse hoje Manuel Pinto de Abreu, o responsável pela Estrutura de Missão e Extensão da Plataforma Continental (EMEPC), que comprou este aparelho não tripulado. Se, no final de todas as verificações, se confirmar que não existem anomalias, o veículo irá mergulhar numa estrutura geológica em forma de ovo estrelado, a sul dos Açores.
O Ovo Estrelado é a estrutura geológica que o Luso vai investigar (EMEPC)
Desde ontem que estão em curso várias verificações de segurança, depois de o veículo ter sido recuperado do fundo do mar ao largo das ilhas Selvagens, onde se afundou ao ter-se separado do cabo que o ligava ao navio “Almirante Gago Coutinho” . “Foi todo desmontado e espera-se levar mais dois dias até fazer as verificações todas", diz Pinto de Abreu. O que esteve na origem da separação do cabo é que continua a ser um mistério: “Estamos a investigar. Houve a acção de um elemento exterior sobre o ROV [sigla inglesa de veículo operado remotamente]. Não sabemos o que pode ter sido.” Se os procedimentos de segurança acabarem por não revelar de facto quaisquer problemas, na sexta-feira o Luso deverá seguir a bordo do “Almirante Gago Coutinho”, que já chegou ao Funchal, para a missão que estava programada nesta altura do ano. Irá mergulhar até a uma estrutura geológica a dois mil metros de profundidade, e cerca de 150 quilómetros a sul dos Açores: com o formato de um ovo estrelado (na imagem em tom de azul, à esquerda). A origem desta formação tem intrigado os cientistas. A sua forma, relativamente circular, tem seis quilómetros de diâmetro e no centro apresenta uma elevação, como se fosse uma gema de ovo, com três quilómetros de diâmetro. A estrutura foi descoberta no ano passado, quando as equipas da EMEPC olharam para os dados sobre a morfologia do fundo do mar, recolhidos através de uma sonda com múltiplos feixes sonoros que permite construir mapas de grande resolução do revelo. Detectaram o Ovo Estrelado, como lhe chamaram, e logo foram sendo lançadas hipóteses sobre a sua origem. Será que é a cratera de impacto de um meteorito? Será que é um vulcão de lama, formações que, em vez de lava, expelem sedimentos finos carregados de metano, como as que existem no golfo de Cádis, ou com outra fonte energética?A ideia é que o Luso mergulhe aí pela primeira vez, e ajude a desvendar a natureza do Ovo Estrelado.
publicado por Pedro Quartin Graça às 22:26 | link do post